PANDEMIA FRAGILIZA CADEIA LOGÍSTICA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

Atualizado: Mai 26



POR EGLE LEONARDI E JÚLIO MATOS

A pandemia do coronavírus trouxe à tona uma oportunidade e um desafio sistêmicos enfrentados pela cadeia de suprimentos farmacêuticos: o protagonismo que a China passou a desempenhar na indústria, tanto do lado da demanda como do suprimento. À medida que as empresas respondem à crise e tentam avançar, elas precisam de tempo para reconsiderar o que esse fato significa para suas cadeias de suprimentos e como podem melhorar sua resiliência no futuro.

Nos últimos anos, ficou claro que a China é um mercado de crescimento estratégico para empresas farmacêuticas. O aumento da renda disponível e o melhor acesso aos cuidados de saúde na China apresentam uma tremenda oportunidade de crescimento. A rápida idade demográfica na China é outro fator. Até 2050, 330 milhões de chineses terão mais de 65 anos.

Em comparação, o número de chineses com mais de 65 anos em 2019 era de cerca de 160 milhões. Como resultado, as farmacêuticas estão exportando muitos medicamentos especiais e dispositivos médicos para a China. Estudo recente sobre os ganhos das grandes empresas farmacêuticas mostra que as receitas na China cresceram 29% em comparação com um crescimento de 8,2% nos EUA por um período comparável.


Ao mesmo tempo, o país oriental também é uma importante fonte na cadeia de suprimentos farmacêuticos. Também nas últimas décadas, China e Índia surgiram como grandes players no setor, especialmente nos segmentos farmacêuticos de venda livre e genéricos.


De acordo com a Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos EUA, 31% de todas as instalações químicas de medicamentos registradas nos EUA estão na Índia ou na China. Além disso, apenas no ano passado, a China representou 95% das importações americanas de ibuprofeno, 91% das importações americanas de hidrocortisona, 70% das importações americanas de acetaminofeno, 40% a 45% das importações americanas de penicilina e 40% das importações de heparina, de acordo com dados do Departamento de Comércio.

No total, 80% da oferta de antibióticos nos EUA são fabricados na China. Mesmo quando a Índia se eleva como fonte alternativa à China de medicamentos genéricos e vendidos sem receita, as instalações no país ainda dependem muito das fontes chinesas de insumos farmacêuticos ativos (IFAs) e principais materiais de partida. Em suma, neste momento, a China tem um grau tão alto de concentração no fornecimento de produtos farmacêuticos, que o surto atual os coloca em destaque.

Perspectivas

1. A escassez de medicamentos não será imediata, mas pode ser significativa.

Várias indústrias farmacêuticas líderes divulgaram declarações garantindo aos investidores e ao público em geral que eles são bem cobertos em termos de estoques e fontes alternativas de suprimento. Porém, dado o nível de dependência do setor em relação à China, é preciso ser cético.

De fato, o estoque médio é de cerca de 180 dias para o setor como um todo, mas a fabricação de medicamentos tem longos prazos de entrega, o que significa que os efeitos das paralisações na fabricação na China levarão tempo para percorrer a cadeia de fornecimento. Se as interrupções no fornecimento de IFAs ou produtos acabados fabricados na China se prolongarem, os efeitos serão graves.

Entregas perdidas podem ser punitivas para empresas farmacêuticas devido a multas por parte das entidades compradoras. Além disso, será difícil para a indústria responder de maneira ágil. Não é fácil mudar as fontes de suprimento na indústria farmacêutica devido à sua natureza altamente regulamentada e aos rigorosos requisitos de conformidade estabelecidos pelos órgãos reguladores.

2. O setor continua vendo escassez de suprimentos essenciais.

A demanda por máscaras faciais (a maioria das quais, por coincidência, é originária da China) e desinfetante para as mãos aumentou significativamente durante a pandemia, e as empresas não conseguiram acompanhar. Indivíduos e governos estão estocando esses suprimentos, causando um aumento significativo na demanda.


O setor também precisará acompanhar os desafios de logística e distribuição relacionados ao atendimento a esses picos de demanda, pois a capacidade de transporte foi retirada em função das interrupções nos portos, quarentena de tripulação e falta de mão-de-obra por conta de bloqueios. Quando as economias começarem a se abrir e os bloqueios terminarem, a situação provavelmente melhorará.

3. As cadeias de suprimentos precisam planejar agora como apoiar o lançamento de uma vacina.

Algumas empresas já estão trabalhando vigorosamente no desenvolvimento de uma vacina para a Covid-19. Contudo, o lançamento de um novo produto não é trivial. O senso de urgência no combate ao vírus abrirá portas para aprovações regulatórias de rastreamento rápido e para capitalizar a oportunidade, as empresas que trabalham no tratamento devem considerar as necessidades de capacidade e todas as compensações que precisam fazer em suas ofertas gerais de portfólio, pois a velocidade do mercado é fundamental para um lançamento bem-sucedido.

Abordagens

Isso posto, quais são algumas ações em que os executivos farmacêuticos devem se concentrar? No curto prazo, o primeiro passo deve ser encontrar rapidamente respostas para as seguintes perguntas:

· Qual parte do meu suprimento e quanto dele vem da China?

· Em quais produtos acabados esse suprimento está entrando?

· Quais fontes alternativas eu tenho para atender à demanda?

Responder às perguntas acima ajudará os executivos a entender e quantificar a exposição ao risco de sua empresa. Para garantir a continuidade do fornecimento, as empresas precisam identificar fontes alternativas e selecionar com quais fornecedores trabalhar com base no custo no destino.

Outra matéria sobre o tema: Indústria farmacêutica deve patentear vacina contra coronavírus

Como recomenda o veterano da indústria farmacêutica Atul Tandon, as empresas precisam ser rigorosas para garantir que os suprimentos sejam liberados de acordo com os critérios de prioridade da saúde humana e dos negócios. Em situações excepcionais, como a crise atual, é fundamental o monitoramento constante de excesso de consumo e diversões devido à acumulação de clientes, para que você possa executar ações mitigadoras em tempo hábil.

Para a maioria das empresas, responder às perguntas citadas anteriormente não é uma questão trivial. Dada à complexidade do setor farmacêutico, as análises são essenciais para as organizações avaliarem riscos.

No entanto, as capacidades tecnológicas da maioria das empresas estão ancoradas no Enterprise Resource Planning (ERP) e em outros sistemas de planejamento que simplesmente não estão equipados para ajudar a permitir cadeias de suprimentos resilientes no futuro. Em médio e longo prazos, as empresas precisarão buscar algoritmos avançados, movidos por inteligência artificial, para ajudá-los a projetar melhor suas cadeias de suprimentos, a fim de criar resiliência e monitorar riscos.

Além disso, a troca de fonte pode ser cara na indústria farmacêutica, tanto em termos de custo quanto de tempo. As empresas devem avaliar suas redes de fornecimento em busca de pontos únicos de falha e criar redundâncias no sistema, identificando fontes alternativas. Embora a redundância de construção possa resultar em aumento de custos, a desvantagem de não ter a proteção quando você precisar pode ser muito cara.

O design da resiliência na cadeia de suprimentos também deve incorporar a colocação de inventário nos nós certos da rede. Isso não significa aumentar o capital de giro da empresa. Trata-se de redimensionar o estoque em consideração ao risco e resiliência.

O impacto do coronavírus na indústria farmacêutica como um todo pode ser significativo se a incerteza persistir. Esse é mais um lembrete para a necessidade de levar em consideração o risco e a resiliência no design das redes de suprimentos.

Com informações do artigo do Portal Supply Chain Quaterly, assinado pelo vice-presidente de grupo da empresa de tecnologia da cadeia de suprimentos LLamasoft Inc., Madhav Durbha.

Participe do nosso grupo de WhatsApp para receber notícias relacionadas à indústria farmacêutica. Clique aqui e faça parte do seleto grupo CDPI Notícias.

0 visualização

​© 2018 CDPI PHARMA

CDPI-logo-aprovada-02.png
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Ícone cinza LinkedIn