MESMO COM LUCRO, J&J TERÁ CORTES NO DECORRER DO ANO

Atualizado: Mai 26




POR EGLE LEONARDI E JÚLIO MATOS

Surpreendendo as expectativas dos analistas do setor, a Johnson & Johnson divulgou, na terça-feira (14/04), lucro no primeiro trimestre, com vendas mais altas de seus medicamentos contra câncer e produtos ao consumidor, como Tylenol, por exemplo. No entanto, reduziu sua previsão para o ano inteiro devido à pandemia do novo coronavírus.


A empresa é a primeira grande farmacêutica norte-americana a reportar os resultados desde o início do surto da Covid-19, que fechou negócios e interrompeu as cadeias de suprimentos no mundo. De acordo com a J&J, a crise atingiu as vendas em sua unidade de dispositivos médicos, já que os hospitais atrasaram cirurgias e procedimentos eletivos, mas aumentou a receita em sua divisão de consumidores, com os clientes estocando medicamentos essenciais.


Outra matéria sobre o tema: Colapso nos estoques não é opção para a indústria farmacêutica brasileira


A J&J, que opera negócios de dispositivos médicos e de saúde do consumidor, juntamente com sua considerável unidade farmacêutica, agora espera um lucro ajustado por ação de US$ 7,50 a US$ 7,90 (R$ 39,29 a R$ 41,38) em 2020, em comparação com sua estimativa anterior de US$ 8,95 a US$ 9,10 (R$ 46,88 a R$ 47,67). A farmacêutica disse que sua previsão para o ano inteiro inclui investimentos que está fazendo para combater a pandemia.


Queda


Nos três primeiros meses do ano, as vendas em sua unidade de dispositivos médicos caíram 8,2%, para US$ 5,93 bilhões (R$ 31,06 bilhões). A empresa registrou um declínio de um dígito alto nas vendas de em seus dispositivos médicos usados em serviços como procedimentos ortopédicos de alta margem e cirurgias para a correção da visão. As vendas em sua unidade de saúde do consumidor subiram 9,2%, para US$ 3,63 bilhões (R$ 19,01 bilhões), impulsionadas por um aumento na demanda por produtos como os analgésicos Tylenol e Motrin.


As vendas na unidade farmacêutica aumentaram 8,7%, para US$ 11,13 bilhões (R$ 58,30 bilhões), ajudadas pelas vendas dos medicamentos contra o câncer Darzalex e Imbruvica. O lucro líquido subiu para US$ 5,80 bilhões (R$ 30,38 bilhões), ou US$ 2,17 (R$ 11,37) por ação, no primeiro trimestre, de US$ 3,75 bilhões (R$ 19,64 bilhões), ou US$ 1,39 (R$ 7,28) por ação, um ano antes. Já o fabricante de Band-Aid e Listerine teve lucro de US$ 2,30 (R$ 12,05) por ação, superando a estimativa média dos analistas de US$ 2 (R$ 10,48), segundo dados do Refinitiv do IBES.


Vacina


Em setembro desse ano a empresa iniciará testes clínicos em humanos de uma vacina que poderia estar pronta para ser usada, em caráter de urgência, antes do começo do ano que vem. A empresa começou a trabalhar em janeiro sobre a vacina experimental Ad26 SARS-CoV-2, empregando a mesma tecnologia usada para desenvolver a vacina-candidata, contra o vírus do ebola.


A J&J assinou um acordo de US$ 1 bilhão (R$ 5,24 bilhões) com o governo dos Estados Unidos para criar capacidade de fabricação suficiente para produzir mais de um bilhão de doses da vacina.

Com informações da Reuters

Participe do nosso grupo de WhatsApp para receber notícias relacionadas à indústria farmacêutica. Clique aqui e faça parte do seleto grupo CDPI Notícias.

150 visualizações

​© 2018 CDPI PHARMA

CDPI-logo-aprovada-02.png
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Ícone cinza LinkedIn