INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS UNEM ESFORÇOS CONTRA A COVID-19

Atualizado: Mai 26




POR EGLE LEONARDI E JÚLIO MATOS

A BioNTech e a Pfizer divulgaram, na última quinta-feira (10/4), mais detalhes sobre a colaboração que encaminhará candidatos ao programa de vacina mRNA, da BioNTech, contra a Covid-19. O objetivo é avançar rapidamente para os testes clínicos em humanos e, assim, garantir um rápido acesso mundial à vacina, se aprovado.


A parceria será fortalecida pela ampla experiência da Pfizer em pesquisa e desenvolvimento de vacinas, recursos regulatórios e rede global de fabricação e distribuição. Os primeiros ensaios clínicos devem ocorrer já no final deste mês, inicialmente nos Estados Unidos e na Europa.


Investimentos milionários


Pelos termos do contrato, a Pfizer pagará à BioNTech US$ 185 milhões (R$ 962,04 milhões) em adiantamento, incluindo parcela em dinheiro de US$ 72 milhões (R$ 374,41 milhões) e um investimento em patrimônio de US$ 113 milhões (R$ 587,62 milhões).


A BioNTech é elegível para receber pagamentos futuros de até US$ 563 milhões (R$ 2. 927,71 bilhões) por uma contraprestação potencial total de US$ 748 milhões (R$ 3.889,75 bilhões). As empresas compartilharão os custos de desenvolvimento igualmente. Inicialmente, a Pfizer financiará 100% e a BioNTech reembolsará à parceira sua participação de 50% durante a comercialização da vacina.


"Já começamos a trabalhar em nossa vacina e temos o prazer de anunciar esses detalhes adicionais de nossa colaboração contínua, o que reflete o forte compromisso de ambas as empresas em agir rapidamente para levar uma vacina segura e eficaz aos pacientes em todo o mundo", disse o co-fundador e CEO da BioNTech, Ugur Sahin, ao portal World Pharma News.


Trabalho conjunto


Durante o estágio de desenvolvimento clínico, a BioNTech e seus parceiros fornecerão suprimento clínico a partir de suas instalações de fabricação de mRNA com certificação GMP na Europa. Com a Pfizer, se trabalhará para aumentar a capacidade de fabricação em risco para fornecer suprimento mundial em resposta à pandemia do novo coronavírus. Com aprovação regulatória, a vacina deverá ser comercializada em todo o mundo, com exceção da China, que já é coberta pela colaboração da BioNTech com a Fosun Pharma.


Outra matéria sobre o tema: Colapso nos estoques não é opção para a indústria farmacêutica brasileira


De acordo com o diretor-científico e presidente mundial de pesquisa, desenvolvimento e medicina da Pfizer, Mikael Dolsten, o combate à pandemia da Covid-19 exigirá colaboração sem precedentes em todo o ecossistema de inovação, com as empresas se unindo para reunir capacidades como nunca antes.


"Estou orgulhoso da parceria da Pfizer com a BioNTech e tenho toda a confiança em nossa capacidade de aproveitar o poder da ciência - juntos - de gerar uma vacina em potencial que o mundo precisa o mais rápido possível", disse Dolsten.


Mais cooperação


Outra colaboração para investigar e desenvolver soluções terapêuticas para combater o coronavírus se deu com a GSK e a Vir Biotechnology. A união inclui o acesso à plataforma de anticorpos monoclonais da Vir para acelerar o desenvolvimento de anticorpos antivirais já existentes e identificar outros que possam ter potencial terapêutico ou preventivo para ajudar na resposta à pandemia da Covid-19 e outros surtos futuros.


As duas empresas se valerão do conhecimento da GSK na área da genômica funcional e combinar a sua capacidade ao nível da tecnologia CRISPR e de inteligência artificial para identificar novos compostos anti-coronavírus que ataquem diretamente os genes da célula hospedeira. A par disso, vão também combinar esforços para investigar potenciais vacinas contra o SARS-CoV-2 e outros coronavírus.


“A plataforma de anticorpos da Vir é única e apresenta resultados sem precedentes na identificação e desenvolvimento de anticorpos como formas de tratamento contra múltiplos organismos patogénicos, sendo também um excelente complemento à abordagem de Investigação & Desenvolvimento, muito focada na ciência imunológica”, falou o chief scientific officer e R&D president da GSK, Hal Barron.


Plataforma Vir


A plataforma Vir possui um método potente para capitalizar respostas imunológicas incomumente bem-sucedidas que ocorrem naturalmente em pessoas que são protegidas ou se recuperaram de doenças infecciosas. Ela é usada para identificar anticorpos raros de sobreviventes que têm o potencial de tratar e prevenir patógenos em rápida evolução e/ou anteriormente intratáveis ​​por meio da neutralização direta de patógenos e estimulação do sistema imunológico.


A Vir cria os anticorpos totalmente humanos que descobre para aumentar seu potencial terapêutico. Essa plataforma foi usada para identificar e desenvolver anticorpos para patógenos, incluindo Ebola (mAb114, atualmente em uso na República Democrática do Congo), vírus da hepatite B, influenza A, SARS-CoV-2, malária e outros. Fonte: World Pharma News


Participe do nosso grupo de WhatsApp para receber notícias relacionadas à indústria farmacêutica. Clique aqui e faça parte do seleto grupo CDPI Notícias.

438 visualizações

​© 2018 CDPI PHARMA

CDPI-logo-aprovada-02.png
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Ícone cinza LinkedIn