BOLSONARO AUTORIZA AUMENTO DE 5,2% NO PREÇO DE MEDICAMENTOS



POR EGLE LEONARDI E JÚLIO MATOS

O presidente Jair Bolsonaro permitiu o reajuste anual nos preços de medicamentos em até 5,2%. A autorização foi publicada na edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de segunda-feira (1º/6). No início de maio, Bolsonaro anunciou a suspensão, por 60 dias, do reajuste no preço de medicamentos no País, por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A Medida Provisória 933 formalizou a suspensão e aguardava votação no Congresso para sua ampliação.


O preço máximo de medicamentos no Brasil é definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed), órgão composto pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária e pelos ministérios da Saúde e da Casa Civil, com reajustes anuais em abril. Mesmo com o adiamento do aumento neste ano, as indústrias farmacêuticas já tinham margem para subir os preços dentro do atual limite legal.


Outra matéria sobre o tema: Indústria deve aumentar preços de medicamentos mesmo após governo adiar ajuste


Segundo a nova resolução da Cmed, para este ano ficam autorizados três índices máximos, de acordo com o tipo de medicamento. Os reajustes podem ser de até 5,21%, 4,22% e 3,23%. Os medicamentos são divididos em três níveis, que variam conforme a quantidade de concorrentes na fabricação. Aqueles fabricados por várias indústrias, como os genéricos, podem ter reajuste de até 5,21%. No ano passado, a Cmed autorizou reajuste de até 4,33%.


Aumento necessário


O Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), disse ao Jornal Agora São Paulo que o reajuste anual de preço dos medicamentos é “absolutamente necessário para viabilizar a operação da indústria farmacêutica no País, garantindo assim o fornecimento normal de medicamentos para a população”.


Em nota, a entidade afirmou ainda que “após 14 meses de preços inalterados, a indústria farmacêutica precisa desse reajuste anual – de apenas 4,08%, na média – para repor parte dos aumentos de custos acumulados no ano passado e mais recentemente em razão da pandemia de coronavírus, com as expressivas altas do dólar e dos custos de logística, matérias-primas e insumos”. Em março, o Sindufarma divulgou estimativa de que o preço dos medicamentos deveria ter reajuste médio de 4,08%.


O valor antecipado pela indústria foi apurado com base em critérios de reajuste estabelecidos pela Cmed, que também levam em consideração a inflação oficial. A média de 4,08% do teto do reajuste é calculada a partir dos três índices máximos de aumento aplicados aos produtos conforme a quantidade de concorrentes na fabricação.


13 mil apresentações


O reajuste anual poderá ser aplicado em cerca de 13 mil apresentações de medicamentos disponíveis no mercado. Medicamentos com o mesmo principio ativo e para a mesma classe terapêutica são oferecidos no País por vários fabricantes e em milhares de pontos de vendas.


“Dependendo da reposição de estoques e das estratégias comerciais dos estabelecimentos, aumentos de preço podem demorar meses ou nem acontecer [nas farmácias]”, disse o presidente-executivo do Sindusfarma, Nelson Mussolini.

O Sindicato acredita ser “provável que o consumidor nem sinta os eventuais reajustes, levando-se em conta os grandes descontos concedidos pela indústria farmacêutica às farmácias e drogarias nos últimos anos”.

Com informações do Jornal Agora São Paulo


Participe do nosso grupo de WhatsApp para receber notícias relacionadas à indústria farmacêutica. Clique aqui e faça parte do seleto grupo CDPI Notícias.

71 visualizações

​© 2018 CDPI PHARMA

CDPI-logo-aprovada-02.png
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Ícone cinza LinkedIn